Vereadores seguem mobilizados para minimizar impactos do fechamento da Ford em Camaçari

Após o anúncio de encerramento das atividades da montadora Ford no Brasil, o que inclui o fechamento da fábrica localizada em Camaçari, os vereadores do município seguem engajados conjuntamente em busca de soluções para reverter os resultados negativos da decisão, como desemprego em massa e perda de arrecadação para o município e para o estado.

Assim que a decisão da empresa foi anunciada, na tarde de ontem (11/01), o presidente da Câmara de Camaçari, vereador Junior Borges (DEM), convocou reunião extraordinária com os demais parlamentares para debater o assunto. Realizado na manhã desta terça-feira (12/01), no plenário da Casa Legislativa, o encontro deixou clara a preocupação dos vereadores com a situação e buscou fomentar intervenções que possam diminuir os impactos causados por ela.

Uma das ações definidas pelos parlamentares foi a de já solicitar audiência com o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia, João Leão, para tratar do tema, conhecer e debater quais são as estratégias do Governo do Estado para enfrentar a situação. O encontro deve acontecer ainda nesta semana.

Para o vereador Junior Borges, é preciso entender os motivos que levaram ao fechamento e discutir alternativas que possam preencher a lacuna deixada por esse encerramento das atividades, especialmente aqui em Camaçari. “Rompe-se uma relação de mais de 100 anos entre a Ford e o Brasil, que causará impactos econômicos e sociais incalculáveis. Sabemos que a situação é resultado de questões maiores como a necessidade de uma Reforma Tributária e as consequências de uma pandemia, por exemplo, mas precisamos de ações rápidas na nossa cidade e no nosso estado também. Nós, vereadores, vamos conjuntamente buscar esse diálogo, deixando de lado, inclusive, as bandeiras partidárias individuais”, pontuou Junior Borges.

O vereador Dentinho do Sindicato (PT) também se manifestou durante a reunião e declarou a sua tristeza e preocupação com a situação que classificou como cruel. “Fechar postos de trabalho é condenar famílias à miséria. Como agentes públicos, precisamos agir com muita responsabilidade e, nesse caso, com rapidez. Precisamos lutar para que Camaçari não se torne um cemitério de galpões e empresas e que a gente não se torne vereador de uma cidade falida. Como sindicalista, reafirmo que não podemos fracassar e seguir perdendo investimentos e postos de trabalho na nossa cidade”, desabafou.

O vereador Junior Borges também pontuou que, além da surpresa causada pelo anúncio de encerramento das atividades da empresa no Brasil, causou ainda mais estranheza o anúncio, praticamente paralelo, de que a Ford investirá mais de 580 milhões de dólares para fabricação de caminhonetes na Argentina. “Isso faz com que a gente se questione: onde o Brasil errou? O que faltou para manter o país atrativo para a empresa? São essas questões que precisamos responder para não seguir vendo grandes empresas deixarem o Brasil”, concluiu Junior Borges.

Antes da reunião, logo no início da manhã, no primeiro turno de trabalho da Ford, os vereadores também estiveram presentes na assembleia realizada pelos trabalhadores da unidade, que foi marcada por muitas manifestações contrárias ao fechamento e pela presença de trabalhadores e integrantes de sindicatos e entidades que representam os mesmos.

Ao todo, cerca de 12 mil trabalhadores diretos serão demitidos em todo Brasil, sendo 5 mil deles na Bahia. A estimativa é que, apenas da Bahia, sejam mais de 10 mil trabalhadores, diretos e indiretos, desligados das suas atividades. Isso porque muitas outras fábricas funcionam quase que exclusivamente para atender demandas da Ford.

*Ascom